Seja apresentado aos fundamentos, equipamentos, dimensionamento e operação de um Sistema de Sonorização.

O “técnico do sistema” é responsável por dimensionar o sistema de sonorização para o local do evento, ajustá-lo ao mesmo e mantê-lo em bom funcionamento; o “técnico de mixagem” tem de estar em perfeita sintonia com o artista e/ou banda para ser capaz de transmitir ao público o que absorve do palco com sensibilidade e qualidade. Quanto mais um conhecer o trabalho do outro melhor o resultado alcançado.

Na igreja essas duas atividades, a do técnico que mixa e a do técnico que ajusta o sistema, já são, frequentemente, desempenhadas pela mesma pessoa. Vamos conhecer esses dois mundos?
 

EMENTA:Introdução aos sistemas de sonorização
Fluxograma de um sistema – da fonte sonora aos ouvidos | Tipos de sistemas – paging (PA), para shows e eventos

Eletricidade
O circuito elétrico básico | As grandezas elétricas – V, I, R e P | Aterramento

Acústica
Frequência, Período e Comprimento de Onda | Absorção, Transmissão e Reflexão | Difração | RT60 – Tempo de Reverberação | Inteligibilidade

O sistema auditivo
Extensão de frequências | Extensão de níveis | Extensão de tempo

O decibel
B e dB | dB para potências elétricas – dBW, dBm | dB para tensões elétricas – dBV, dBu | dB para pressões acústicas – dBSPL

Microfones e DIs
Diferentes construções | Diferentes figuras de captação | Microfones sem fio | DIs ativas e passivas

Consoles
Analógicas | Digitais | Funções

PA
Apoiado | Suspenso | Front Fills | Delays

Monitoração
Monitores de chão | Headfones | In ears

A importância do desenho e otimização do sistema em Igrejas
Cobertura uniforme em pressão | Cobertura uniforme em frequência | Alinhamento e equalização | Estrutura de ganho, das partes e do todo

Operação
Conhecimento dos instrumentos e programas | Escolha dos microfones | Uso corretivo e criativo de equalizadores, compressores e gates na mixagem | Efeitos

Passagem de Som
Organização e planejamento

Redes em Áudio
Protocolos